home publico geral home
 

Email cadastrado com sucesso!!

 

Procedimentos médicos

Newsletter

Cadastre-se e receba a nossa newsletter

 

Endoscopia digestiva alta

O termo endoscopia digestiva refere-se a todos aqueles exames nos quais inserimos um dispositivo no interior do tubo digestivo com o intuito de examiná-lo e, eventualmente, obter material para análises em laboratórios. Vários tipos de exames são possíveis, sendo a endoscopia digestiva alta a forma mais comum.

A endoscopia digestiva alta avalia a porção superior do tubo digestivo, composta pela boca, esôfago, estômago e o duodeno, que é a porção inicial do intestino delgado. Este procedimento é realizado rotineiramente na prática médica diária e consiste na inserção de um longo e fino tubo flexível com uma câmera de fibra óptica em sua porção final e, através de controles específicos, o médico examinador direciona o instrumento para a avaliação do tubo digestivo. As imagens obtidas podem ser projetadas em um monitor e impressas com qualidade fotográfica.

A endoscopia digestive alta é importante para a avaliação de diversas condições digestivas, como a doença do refluxo gastroesofágico, a dispepsia, a dificuldade de engolir alimentos, as úlceras e os tumores digestivos. Além da finalidade diagnóstica, a endoscopia também permite a realização de procedimentos terapêuticos, como a injeção de toxina botulínica, as dilatações e o implante de próteses, além de outros procedimentos de maior complexidade.

Todos os cuidados devem ser tomados para que o exame seja não apenas adequado, mas seguro e confortável para o paciente. Antes de sua realiação, são checados os sinais vitais (freqüência caríaca e pressão) e geralmente é aplicado um sedativo leve para deixar o paciente confortável e levemente sonolento, mas ainda capaz de responder e cooperar durante a realização do exame. A endoscopia digestive alta não deve ser um procedimento doloroso na maioria das vezes e não interfere com a respiração.

As complicações da endoscopia digestive alta são bastante raras, mas podem incluir perfurações, sangramentos e outras, que podem variar de acordo com a doença específica.

Após o procedimento o paciente é encaminhado para uma sala de recuperação, onde permanecerá por alguns minutos, aguardando a cessação dos efeitos do sedativo utilizado. Após sua recuperação, sera liberado para casa com um acompanhante, geralmente com a recomendação de não trabalhar no restante daquele dia.